Literatura

AS TRÊS FERRAMENTAS DO DESTINO.

Para quem gosta de ler.

Para Quem Gosta de Ler

Para Quem Gosta de LerTexto de Sousa El Shalom

27/07/2019 16h44
Por: Nichollas Castro
37

AS TRÊS FERRAMENTAS DO DESTINO.

O chicote;

O cântaro de água;

O saco de areia;

O destino, um dos sábios filhos do tempo e da história, recebeu três ferramentas para lidar com a vida humana. O chicote, para chicotear os homens sempre que necessário. Cada chicotada ao abrir uma ferida sobre a pele, representa as provações, os percalços e as  dificuldades que enfrentamos. No entanto, cada ser humano é chicoteado e  assim testado, à medida de sua própria resistência. A proposta do destino guerreiro em nos chicotear, é de revelar - nos a intensidade de nossa força interna  de resistência e  combate face aos enfrentamentos da vida,  e jamais de simplesmente sujeitar - nos a um jogo de castigo.

O cântaro de água, é a  figura do rebento após a aflição, significa o consolo e  o alívio presente. O sábio destino, inclina seu cântaro sobre as feridas abertas, resultado das chicotadas e lava as mesmas com à  água, trazendo o tão esperado refrigério.

Por fim, mas não menos importante, o saco de areia. A areia, mais poderosa de todas as ferramentas, tem o poder de sarar. O destino toma do seu saco sagrado a areia, que lança sobre a abertura das feridas, tapando - as e trazendo a cura imediata.

Agora testados e sarados, estamos prontos para uma nova jornada. Mas , este novo percurso, depende exatamente da imposição de nossas escolhas. Da  grandeza de nossas metas, pois nós podemos dizer ao destino, que aprendemos com os seus testes, ou provar com nossos atos ora por diante, que os testes representaram a mais obscura ausência de qualquer aprendizado, e que  nisto falhamos.

Nesta hora, o destino sábio e imperioso  guerreiro, ao invés de continuar sarando nossas lacunas, olha bem dentro dos nossos olhos, põe em suas mãos a areia e a assopra ao léu do vento. Depois com sua voz imponente, ele se agacha e sussurra: Essa é a sua história.

E nós perguntamos: Como assim, não entendi? E ele responde: Você não aprendeu a lição!

Quando nós não alicerçamos nossos projetos, nossas histórias, nossas vidas, com colunas sólidas, pilastras bem fincadas e estratégias bem elaboradas, nos tornamos como a areia ao léu do vento, não importa o que tenhamos feito de bom e excelente segundo nossa opinião, somos esquecidos e ficamos para trás.

POR SOUSA EL SHALOM.
(DIREITOS RESERVADOS)

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Anúncio
whats-mensagem
Municípios
Rogério Pontes
Últimas notícias
Ghrupo-whasts
Mais lidas
Anúncio
Anúncio