Anúncio
Opinião

Remédio para a crise: recolocar os mais pobres no orçamento

A combinação da irresponsabilidade do presidente com a saúde pública e da fé de Paulo Guedes no "mercado" pode conduzir o país a uma pandemia social

23/03/2020 08h17
Por: Nichollas Castro
34
Quando eles estarão de volta ao orçamento?
Quando eles estarão de volta ao orçamento?

Por Merlong Solano, Secretário de Administração do Piauí.

Diante de uma crise sem precedentes, vemos o governo federal tateando entre a inconsequência do presidente Bolsonaro, que diz que o novo coronavírus é uma gripinha, e o cenário de caos pintado pelo ministro Mandetta, da Saúde, que fala em colapso do sistema de saúde já no próximo mês de abril. 

Para completar o quadro dantesco, o superministro Guedes continua indiferente aos graves efeitos sociais oriundos da combinação da crise de saúde pública com a crise da economia, que mantém altos níveis de desemprego e de subemprego desde 2016. Isso mesmo; depois de chegar ao menor nível de desemprego médio, 6,8% em 2014, o Brasil marchou para índices alarmantes de desemprego médio, que se manteve em torno de 12% entre 2016 e 2019. Quando somamos desempregados, subempregados e desalentados (já desistiram de procurar emprego) chegamos a mais de 30 milhões de pessoas.

A combinação da irresponsabilidade do presidente com a saúde pública e da fé cega do ministro Guedes no deus mercado pode conduzir o Brasil a uma espécie de pandemia social. Como os mais pobres poderão enfrentar o coronavírus sofrendo também os efeitos do desemprego, do subemprego, de precárias condições de moradia, sem recursos pra se alimentar bem e até pra cuidar da higiene (pois falta grana pra comprar sabão)?

Num momento como esse, insistir nas teses neoliberais do Estado mínimo é crime de lesa pátria. Aqueles que defendem o mercado, precisam entender que a saúde deste depende da existência de uma sociedade dotada de renda para consumir e cuidar da própria vida. Quando o mercado falha em gerar empregos e oportunidades, é preciso um Estado capaz de incentivar o crescimento da economia, de adotar programas de geração de renda para os mais pobres e garantir serviços públicos essenciais.

O momento é de emergência nacional e exige respostas mais abrangentes do que as anunciadas até aqui (que chegam até parte das empresas e às classes médias e altas). Trata-se de adotar respostas que cheguem também aos mais pobres, com repercussão positiva para pequenos e médios empreendimentos e efeitos positivos sobre a geração de empregos. Dentre as respostas possíveis, destaco:

1. Liberação imediata de cerca de R$ 1,9 milhões em benefícios previdenciários;

2. Ampliação do Bolsa Família para atender a mais 3,5 milhões de famílias;

3. Implantação de um programa de renda mínima de cidadania que beneficie todas as pessoas que não se enquadrem nos critérios do Bolsa Família.

O Estado foi criado para ordenar a vida em sociedade e para atender a muitas necessidades que as iniciativas individuais e também as do mercado não são capazes de atender. Estado, mercado (empresas) e pessoas (famílias) são os componentes básicos de nossa estrutura socioeconômica e precisam coexistir. Todavia, nos momentos de crise grave é preciso realçar o papel do Estado e este deve dispor dos meios necessários para fazer preponderar os interesses coletivos.

De modo objetivo, para destravar a ação do Estado no Brasil, é necessário revisar a Emenda Constitucional do Teto de Gasto Público, o que possibilitará dotações orçamentárias condizentes com as prementes necessidades de ação direta do governo federal (Ministério da Saúde, Previdência, etc), assim como o apoio financeiro às ações dos Estados e Municípios.

Antes que os arautos do mercado venham debulhar preces no altar do equilíbrio fiscal, eu lembro que a locomotiva do capital, os Estados Unidos, é permanentemente movida por meio de grandes déficits fiscais. Agora mesmo Trump lançou um pacote de injeção de dinheiro na economia correspondente a 10% do PIB do País, uma conta que o mundo todo ajudará a pagar por meio da sujeição ao dólar como moeda internacional.

As propostas acima, associadas a outras voltadas diretamente para preparar as pessoas sobre as atitudes que devem adotar para evitar o contágio, recolocariam o Brasil como Nação, que extrapola em muito os negócios, e poderiam evitar a falência social que está a caminho. 

OBS: Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do NortePiauí.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários